Cheflidu.com entrevista a autora de “Nove tiros em Chef Lidu”

Não foi fácil convencer Paula Bajer Fernandes a dar esta entrevista. Ela me disse que não queria falar sobre seus processos criativos porque não tinha muita certeza deles. Cada dia escreve em um horário, não tem uma rotina fixa. Tudo depende de como ela está, sem tem muito trabalho ou não, se está com algum problema. Nem sempre consegue entrar naquela onda que a leva até o romance. Porque o romance, segundo a autora, é uma realidade. Mas consegui. Em um domingo à tarde, finalmente, ela falou, não sem antes deixar bem claro que não gosta de domingos.

Paula, eu sei que a pergunta é meio óbvia, mas você gosta de escrever?

Nem é tão óbvia, porque para algumas pessoas escrever é uma necessidade tão forte que incomoda e não alivia. Gosto muito, mas estou sempre em conflito com a minha escrita e posso sofrer com isso. Quando leio meus textos, não me reconheço, e isso é um pouco estranho. Meus contos chegam a lugares surpreendentes e, nos romances, às vezes não sei para onde ir e essa falta de rumo me diverte. Gosto de ficar perdida e me encontrar, de mudar destinos dos personagens. Escrevi dois romances, “Viagem sentimental ao Japão” e “Nove tiros em Chef Lidu”. Gosto dos dois, um muito diferente do outro.

Você está escrevendo um novo romance?

Estou. Tenho duas personagens, Sílvia e Sabina. Sílvia é advogada e tem problemas para perder peso. Ela vive de dieta e isso é um pouco cômico, mas ela sofre. É uma advogada criminalista e seus clientes são quase sempre inocentes que se envolveram em alguma confusão. O namorado vai morar fora, tem um cara que gosta dela e ela quer escrever sobre a dieta. Sabina é sua melhor amiga. É uma escritora de sucesso, mas escreve sob pseudônimo. Nem o marido sabe que ela escreve bestsellers. A história gira em torno das duas. Só Sílvia sabe o segredo de Sabina.

Por que você fala sobre alimentação nos seus romances?

Porque comer é uma atividade de sobrevivência e cada pessoa come à sua maneira. Há quem coma muito, quem coma pouco, quem goste de doces, ou de salgados, arroz e feijão, carnes, linguiças. Há vegetarianos, os hábitos vão ao infinito, e isso me interessa. A comida une – mas pode desagregar – e interfere diretamente na saúde e na aparência. Acho que, de certa forma, a maneira como a pessoa se alimenta mostra muito  como ela é. Os programas sobre gastronomia, hoje, na televisão e na internet, são muitos. Master Chef está em muitos lugares, as pessoas ficam ligadas, gostam das competições, das imagens de alimentos. Chef Lidu foi um Chef de cozinha importante e Sílvia, minha nova personagem, sofre com dietas de emagrecimento. As dietas impõem restrições bem chatas às pessoas e quem tendência para engordar e não se conforma em ficar gordo sofre bastante. Chef Lidu começou uma dieta de emagrecimento antes de ser assassinado. Tenho vontade de contar histórias assim.

Já ouvi que você tem uma escrita leve. O que você acha disso?

Sempre quis ser clara e a clareza é a principal qualidade de um texto que leva o leitor ao final da história. Não tenho problema nenhum com leveza, graça, ironia. Há, por outro lado, livros maravilhosos nada leves, que levam ao sofrimento, também. Tudo pode acontecer. Acho que a literatura pode perfeitamente ser entretenimento, o que não significa que não provoque reflexões. A literatura pode salvar uma pessoa da loucura, da depressão. Tira angústias, também. Ou gera angústias. Quando o leitor se identifica, já não se sente só. E depois, além do divertimento, cada leitor conclui, do livro, o que pode e quer. Essa liberdade é absoluta e o escritor não controla o leitor. Por isso gosto tanto de ler e escrever. São caminhos de resultados imprevisíveis.

Sobre Paula Bajer Fernandes

Sou escritora e moro em São Paulo. Além de livros publicados (na área jurídica e romances), além de contos, tenho dois blogs: Lolita e Nove tiros em Che Lidu. Criei o blog Lolita em 2009 para falar de imagens, lugares e escritos (http://lolitaimaginario.com). O blog Nove tiros em Chef Lidu (cheflidu.com) é um espaço sobre processos criativos e novelas policiais. Todo livro tem um outro lado, como as cenas que não entraram em um filme e ficam no DVD, entrevistas com atores e o diretor. Senti vontade de prosseguir um pouco no romance Nove tiros em Chef Lidu e aproveitei o lançamento em formato digital para começar o blog. O blog continuou. Sou autora de Viagem sentimental ao Japão (Rio de Janeiro, Apicuri, 2013), Asfalto (livro de contos em formato digital) e Nove tiros em Chef Lidu (Editora Circuito, 2014 e e-galáxia, e-book). Em abril de 2016 publiquei o fanzine O mergulho, com textos e fotos minhas e direção de arte e ilustrações de Rodrigo Terra. Integro o Coletivo Martelinho de Ouro. Participei de cinco publicações do Martelinho: Achados e perdidos (RDG, 2013), 50 anos daquele 64, Serendpt (Livrus), publicados também em formato digital. Em novembro de 2015 foi publicado o fanzine Fancine. Sub, livro de contos do Martelinho sobre tudo que pode estar oculto, foi publicado pela Patuá no fim de 2016.
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Cheflidu.com entrevista a autora de “Nove tiros em Chef Lidu”

  1. Raquel disse:

    Oi, Paula! Adorei a sua entrevista! Eu tb me interesso muito por comida (tb tenho um blog sobre comida, que está em reformulação – http://comemoscultura.blogspot.com.br/) pq é um dos prazeres que se pode realizar sozinho! Bom saber que vem mais coisa boa por aí!
    Precisando, é só chamar!
    Abs
    Raquel

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s