As mulheres em Nove Tiros em Chef Lidu

koboimage_160606_084118.png

Outro dia uma amiga leu meu conto “Azul marinho” no fanzine O mergulho e disse que eu  consigo captar bem a natureza feminina e os homens são coadjuvantes na minha ficção.  Acho que ela pensou também na personagem Anette de Viagem Sentimental ao Japão. Anette  tem vida própria, eu mesma penso nela como uma amiga (? , não sei se é amiga, é muito nova) íntima, mas que ainda tem muitos segredos.

Então pensei que no meu policial, em Nove Tiros, os dois personagens principais são homens: Elvis (escrivão que relata o caso) e Dr. Magreza (o delegado que investiga). Gosto de criar personagens masculinos. Mas eles não surgem sempre. Às vezes aparecem, como em Nove Tiros em Chef Lidu.  E já ia esquecendo do personagem principal, Chef Lidu.  É o protagonista?

Há, na história, três mulheres: Darlene, Monalisa e Elisa. Darlene foi casada com Chef Lidu e administra seu restaurante. Monalisa é a moça que começou a trabalhar lá e encanta o Chef. E há Elisa,  casada com Dr. Magreza, uma musa para Elvis, ele tem a maior admiração por Elisa.
Adoro esse nome, Elisa.

 

 

Sobre Paula Bajer Fernandes

Sou escritora e moro em São Paulo. Além de livros publicados (na área jurídica e romances), além de contos, tenho dois blogs: Lolita e Nove tiros em Che Lidu. Criei o blog Lolita em 2009 para falar de imagens, lugares e escritos (http://lolitaimaginario.com). O blog Nove tiros em Chef Lidu (cheflidu.com) é um espaço sobre processos criativos e novelas policiais. Todo livro tem um outro lado, como as cenas que não entraram em um filme e ficam no DVD, entrevistas com atores e o diretor. Senti vontade de prosseguir um pouco no romance Nove tiros em Chef Lidu e aproveitei o lançamento em formato digital para começar o blog. O blog continuou. Sou autora de Viagem sentimental ao Japão (Rio de Janeiro, Apicuri, 2013), Asfalto (livro de contos em formato digital) e Nove tiros em Chef Lidu (Editora Circuito, 2014 e e-galáxia, e-book). Em abril de 2016 publiquei o fanzine O mergulho, com textos e fotos minhas e direção de arte e ilustrações de Rodrigo Terra. Integro o Coletivo Martelinho de Ouro. Participei de cinco publicações do Martelinho: Achados e perdidos (RDG, 2013), 50 anos daquele 64, Serendpt (Livrus), publicados também em formato digital. Em novembro de 2015 foi publicado o fanzine Fancine. Sub, livro de contos do Martelinho sobre tudo que pode estar oculto, foi publicado pela Patuá no fim de 2016.
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s